Osmoterapia

Técnica prática para a prosperidade

A Osmoterapia é a terapia que age através das energias despertadas pela vibração dos odores e aromas. Por exemplo, uma vela ou incenso magnetizado com determinado aroma pode despertar uma energia peculiar no ambiente onde está aceso. Conforme a essência do perfume desperta uma certa atração (almíscar) ou repelência (citronela). Obviamente, a utilização dos aromas não substitui a prática da meditação, apenas funcionam como mecanismo de concentração ou dinamização de energias.



A seguir uma lista dos principais aromas:


Acácia – Conhecida popularmente como “esponjinha” por sua forma, seu perfume facilita a meditação sobre a saúde e os negócios.

Alecrim – Exala odor agradável e forte, tem efeito calmante além de ser um purificador de ambiente. Muito usado como medicamento e como condimento.

Alfazema (Lavanda) – Favorece a prática da meditação por ter perfume suave e envolvente, é indicado também para limpezas e purificação de miasmas astrais.

Almíscar – Substância animal de odor muito ativo e perfumado, por atuar na esfera de nossa libido proporciona romances. Para a Cabala representa o princípio da Sabedoria Ideal Divina. No Oriente é o princípio masculino, o yang. Por ser uma energia dinâmica também ativa o Chakra Frontal ou Ajna (Terceiro Olho), trazendo-nos uma nova consciência. 

Âmbar – Por ser uma substância sólida é uma energia de base, propícia para a união do homem com Deus. Na doutrina cabalística representa a fonte de tudo. Na filosofia iogue essa essência é utilizada para alcançar a meta da evolução espiritual humana ou para dar início a uma atividade que requer coragem ou autoconfiança. Estimula o centro psicossensorial coronário. 

Arruda – Muito aromática, atuante na limpeza psíquica e física. Fortalece a áurea, protegendo-a, além de afastar energias negativas como a inveja.

Bálsamo – Sua fragrância propicia inspiração, conforto e calma. Muito usada na medicina caseira com óleo de massagem por ter um efeito relaxante.

Baunilha – De cor laranja-avermelhada estimula a função mental para exaltar a devoção pelo Divino. Estimula a meditação para obter paciência, paz e tolerância.

Bergamota (Tangerina) – Estimulante da inspiração e da revelação. Ideal para despertar talentos artísticos ou criativos.

Calandre – Flor amarela com aroma propício para estudos, facilita a concentração pois seu aroma atua no centro coronário.

Camomila – Eleita pela farmacopeia por ter um efeito calmante, ideal para dormir, cultivar bons sonhos e para relaxar.

Canela – Estimulante de apetite e muito saudável para o corpo. Seu aroma possui uma energia que age no intelecto humano equilibrando o corpo, o meio ambiente e a consciência. Quando direcionada aos negócios traz contentamento em transações comerciais ou em atividades de expansão.

Cânfora – Substância cristalina largamente utilizada em farmacologia. De aroma fresco, sua fragrância estimula as experiências psíquicas ou místicas. Atua no biorritmo, na intuição e na emoção, causando efeitos de purificação, sincronismo e harmonização. 

Cedro – Árvore solida e frondosa com irradiação forte, o bastante para causar a sensação de um porto seguro, proporcionando segurança e purificação. Na Cabala representa a misericórdia ou a nossa necessidade de crescimento espiritual.

Citronela (Erva-cidreira) – Seu aroma cítrico semelhante ao limão causa um efeito de repelência, inclusive contra insetos.

Cipreste – Representa a energia do Universo e atua tanto na lógica como na intuição, facilitando a concentração, interação e firmeza. Apenas o óleo de cipreste é indicado para meditação, pela sua pureza, visto que os incenso sofrem alteração em seu valor aromático por conterem enxofre e madeira. 

Cravos – O cravo-da-Índia é indicado para limpeza astral. O cravo-de-amor com suas flores alvas e ornamentais é bom para meditar na busca da outra metade da alma.

Dama da Noite – Arbusto ou trepadeira de flores brancas, com perfume forte e envolvente, ativa a imaginação e facilita encontros amorosos. 

Erva Doce – Também conhecida como anis é utilizada para chá para combater gases e cólicas. Seu aroma doce e atraente é calmante eficaz que evita a insônia.

Eucalipto – De largo uso medicinal por seu aroma atuante no sistema respiratório, é uma essência ativa na esfera da renovação.

Hortelã (Menta) – Atuante na esfera da justiça restabelece equilíbrio e harmonia. Por seu aroma refrescante acalma e propicia um bom julgamento sobre uma questão.

Jasmim – Atua diretamente no inconsciente, nos sonhos e na imaginação. Mantém propriedades sugestivas, criativas e ilusórias.

Lírio do Vale – Ideal para orações ou meditações ligadas ao despertar da intuição ou para a obtenção da pureza.

Lótus – Da esfera da energia solar acalma e harmoniza o ambiente trazendo luz, paz e amor. O incenso de Flor de Lótus é usado para facilitar a meditação do iniciado na busca do auto-conhecimento.

Maçã Verde – Ajuda na elevação espiritual e no amor. Bom para a saúde e para harmonia com os animais.

Madeira do Oriente – Assim como a madeira é ideal para dar força e vigor ao fogo, sua energia proporciona para nós força e sucesso.

Mel – Seu efeito está sempre ligado a prosperidade. Sua energia anti-séptica funciona no combate de miasmas astrais, propicia-nos assim uma vida doce e agradável.

Mirra – Representa a compreensão pura, é a essência feminina do Cosmo. É o incenso do princípio da forma e da manifestação da alma pura. É o desatar do nó entre a mente e a alma. Segundo a bíblia, a mirra, o olíbano e o ouro foram os presentes oferecidos pelos três reis magos a Jesus.

Olíbano – Representa o princípio do Eu superior e da transcendência. É a luz da consciência que sacrifica desejos pessoais em detrimento da realização espiritual. Na Cabala é a essência de divindades solares como Apollo, Cristo, Mitra, Krishna, Osíris e Buda.

Patchouli – Atuante na esfera terrena do plano fenomênico, essa energia é ligada às sensações físicas e aos complexos do subconsciente. Na Cabala simboliza a estabilidade e a firmeza, mas também a paciência para o iniciante em magia. 

Rosa – É a mais perfeita das flores por isso proporciona harmonia no amor, ternura na fé e paz no espírito.

Sândalo – Energia feminina que inclui atração, beleza, fecundidade, casamento, raciocínio dedutivo e sensualidade.

Autor: Sérgio Luiz Giannico

Cromoterapia

Técnica prática para a prosperidade



A cromoterapia é a terapia que age através das energias despertadas pela vibração das cores (cromo), hoje utilizada no mundo inteiro e em todos os segmentos, desde os hospitais, ambientes de trabalho de multinacionais, na área de marketing, escolas e, até em residências, velórios, laser...

Cada cor tem sua própria energia, vibração e atuação. A partir do Amarelo e Vermelho (cores quentes) até ao Azul (cor fria) formamos o prisma de sete cores.

Como toda a matéria não passa de luz condensada vibrando em cores diferentes, forma um fenômeno óptico, permitindo nossos sentidos captar de uma forma sólida e contínua toda a matéria densa que existe. Porém, a matéria etérea que escapa dos sentidos da visão, da audição, do tato, da fala e do paladar é captada pelo sentido da percepção.

Essa energia mais etérea pode ser capitada no ambiente em que estamos ou na roupa que vestimos, na cor dos alimentos que ingerimos...

Quando pensamos ou agimos também utilizamos a cor para idealizar um pensamento, dependendo da cor que utilizamos para formar uma ideia ou um desejo alcançaremos um resultado.

Por exemplo:

Vermelha: É a cor da emoção, da vitalidade e da autoridade, por estar ligada à beleza física, à sensualidade e ao fascínio da dança do fogo, que sobe, queima e saltita flamejando a lenha na lareira. Impulsiona o homem aos instintos amorosos garantindo a perpetuação da raça humana. O sangue é vermelho para poder vitalizar todo o corpo, por ser uma energia ligada a autoridade (queima quando reage) e a sensualidade (dança quando em chamas) têm o poder de renovar e perpetuar a vida.

É uma energia protetora da cabeça, do rosto, dos órgãos sexuais, das vias urinárias, dos rins e das secreções hepáticas. Ideal para criar emoções e vencer obstáculos.

Laranja: Vibra como o Sol, é a cor da fortuna, não apenas a monetária, mas também a intelectual, vibra muito forte no poder mental, incentivando a criatividade, as atividades artísticas, desportivas e intelectuais. É a cor da expansão que causa a sensação de sairmos de nós mesmos contagiando e envolvendo os outros, como o abraço da vitória. Deixa-nos leve, vivo e jovem, por ser um excelente condutor de energia como o ouro.

É a energia que tem o desejo de vencer na vida é a energia da riqueza. É o impulso natural que o homem tem de viver todos os dias, de armazenar alimentos ou provisões para período de escassez, para o conforto, melhoria e enriquecimento. Por ser uma energia de motivo mestre é ligada à luz e a fartura, revitaliza todo organismo e vibra mais forte na região do coração, duodeno, baço e coluna vertebral, além de fortalecer as vistas e a fertilidade. Aumenta a vitalidade e a alegria de viver, proporciona a fama e o reconhecimento nas artes, ideal para rituais de prosperidade.

Amarela: A cor da comunicação dá movimento e forma as nossas idéias, criando ordem e lógica na linha de raciocínio. É o sonho oculto de criar beleza e modelar monumentos. Por isso é muito atuante no sistema cerebral e em suas ramificações nervosas, braços, mãos, língua, ouvidos, e no sistema respiratório. Ela ajuda a vencer a timidez além de intensificar a memória e a agilidade mental. Propicia mente ativa e serena para projetos, planejamentos e criação.

Verde: É a cor da natureza, da abundância, da esperança de boa colheita. É também da união do amarelo com o azul, do sol com o céu formando a clorofila e a biopolaridade do oxigênio com o gás carbono. É a energia das realizações, das metas, da fertilidade e da reciclagem da energia vital, é uma cor intermediária como a primavera, que está entre o inverno e o verão, entre o azul passivo e o amarelo ativo, é a cor complementar do vermelho, é a cor central do prisma e do arco-íris, por isso vibra estabilidade, fidelidade, constância, responsabilidade, perseverança, longevidade, êxito profissional, sabedoria e transcendência. Protege os idosos atuando sobre os ossos, dentes, hipófise, ramificações neurológicas e organismos considerados frágeis e delicados. Ideal para expansões e empreendimentos.

Anil e Marinho: A cor azul clara (Anil) desperta a tranqüilidade, a interiorização, a paz e a harmonização, é a cor indicada para vencer o medo. O Azul mais profundo (marinho)  representa o prazer de viver, nos dá liberdade principalmente quando vem do firmamento, parece não ter fim, dando-nos profundidade para a vida, você voa nele e ele te recebe e acolhe, estimulando a auto-estima e induzindo a conquistas por ser visivelmente benéfico. Ele protege a garganta, a laringe e faringe, a fala, as cordas vocais, o paladar, além das vértebras cervicais e a nuca. Bom para dar asas à espiritualidade, para o oculto e principalmente para a vitalidade e longevidade.

Violeta: A cor da transmutação e da espiritualidade é a união do azul que acolhe com o vermelho que agita, é a cor do entardecer que anuncia a transformação do dia em noite, estimulando a nossa capacidade de persistência na dualidade. É a cor ideal para o sucesso dos missionários ou imigrantes. Atua diretamente sobre o pâncreas e o metabolismo endócrino, na circulação arterial, na depuração do sangue evitando processos infecciosos, além de proteger os pés, a pele e os músculos. Por ser uma cor de transmutação é a cor ideal para as pessoas se livrarem dos vícios como álcool, cigarros, drogas ou até mesmo depressões. Bom para conquistar a paciência em projetos longos ou demorados.

Branco e Preto: Essas duas cores representam a união e a ausência de todas as cores e nos levam ao plano iniciatório ultrapassando a dualidade. São as cores do universo simbólico representado no tabuleiro do Xadrez, no preto que é luto no ocidente e no branco que é o luto no oriente, no branco que é a cor do vestido da noiva e no preto que a cor do fraque do noivo, no preto que é a noite insondável e no branco que é a neve que reflete a luz fria em altitudes inatingíveis. O branco e o preto se alternam quando a palheta de cores atinge certa rotação, formando um desenho preto-branco e branco-preto criando uma nova unidade de cor. O branco é a pureza e o preto é atração magnética que tudo absorve, é o feminino e o masculino, o positivo e o negativo, o oriente e o ocidente, o yin e o yang, o sol que reflete a luz e a lua que absorve a claridade, é a presença e a ausência.

O Tom Rosa: Por ser uma energia ligada ao amor incondicional e ao afeto é a cor mais sutil. Desperta a sensibilidade e os sentimentos puros, protege o tato, o metabolismo, as funções renais, os órgãos sexuais femininos, a região lombar, a derme e o cabelo, concede harmonia orgânica evitando a depressão. Bom para cultivar a amizades, a beleza e o amor, principalmente a si próprio.

As cores e a beleza estão em abundância na vida cotidiana, o universo colou todas as cores a nossa disposição, radiando energia e beleza. Basta apreciar o azul celeste do horizonte que se funde ao tocar o azul ultramar do oceano, ou do alaranjado do sol que passa pelo azul do céu formando o verde das matas e bosques, ou então o quadro de rosas vermelhas que enfeita o canto esquerdo da sala, o contraste colorido das roupas em um varal, do carro de cor arrojada que corre em contrate com a pálida carroça que flutua, dos pássaros que dão movimento aos vários tons de verde com silhueta amareladas das árvores...

As cores podem ser ingeridas através dos alimentos, dos sucos, ou vestidas pelas roupas, ou simbolizadas pelos ícones do nosso dia a dia. Devemos viver essas cores, comer essas cores, vestir essas cores, viver e pensar essas cores.

Um segredo que uso para manipular as cores é a pintura a óleo. Com ela aprendi a aumentar o meu campo de percepção visual, enxergar cores que nunca tinha percebido antes apesar de sempre terem estado ali, como, por exemplo, ver todas as cores em uma só arvore, os tons de verdes claros e escuros das folhas, o amarelos e laranja do reflexo do sol, os tons marrons e azul-esverdeado dos troncos, os vermelhos claros e escuros das flores, pregado em azul de tênuas nuvens brancas que se escondem no violeta do infinito, tudo contrastando com a sombra escura projetada que vai se desfazendo em degradê.

Muitas vezes o ficar sozinho com nossos pensamentos absorvendo a beleza das cores que nos rodeiam é uma terapia para solucionar todos os problemas independentes da ordem ou importância.

Autor: Sérgio Luiz Giannico

Culpa

Técnica prática para a prosperidade



Culpa é um sentimento que causa o ódio de si mesmo e com isso a autopunição e o desequilíbrio emocional. Isso acontece porque geralmente nasce de uma exigência, de algo que não queremos fazer e com isso nos leva a submissão. A culpa é o método mais eficaz de fazer com que uma pessoa se submeta aos caprichos ou desejos de outra pessoa. Esse sentimento recebeu requintes medievais por muitas religiões, primeiro fantasiavam a culpa de forma a bater por dentro nas pessoas, depois garantiam que tinham o elixir do perdão ou da salvação, muitas vezes deixando o sentimento de fé em segundo plano.

O sentimento de culpa ganhou também requintes familiares e muitos pais utilizavam-se desse método para conduzir seus filhos, educando-os através da chantagem emocional, ou do “... se confessar que teve culpa eu perdoo”.


Como a culpa é um sentimento que não nasce dentro de nós, ela precisa ser implantada por outra pessoa e em seguida ser contraída como uma doença, quanto mais sugestionável ou ingênua for a vítima, maior é seu poder de autodestruição. Na medida que vai sendo cultivada, vai se criando maior dependência ao locutor, aumentando o desconforto interior e com isso maior submissão.

Quando não fazemos algo que gostaríamos de ter feito ou que poderíamos ter feito, sentimos um pequeno desapontamento que subitamente se vai, a isso chamamos de remorso. Agora quando nos é exigido algo que não temos vontade, que não temos capacidade ou que não temos vocação para fazer e por falsa compreensão exigimos isso de nós mesmo, vem em forma de condenação a culpa de não termos conseguido.

Cada pessoa tem seu próprio ideal, seu limite, sua vocação... “Muito antigamente” era comum o pai ou a mãe, quando não obtinham um resultado louvável segundo seus desejos, impor algo para seus filhos utilizando-se de técnicas culpáveis do tipo: “Deus castiga...”, “isso é pecado...”, “eu vou morrer de tanta mágoa...”, “você quer matar a nós dois...” ou ainda punindo com ameaças de falta de amor ou proteção, embaralhando sentimentos e criando assim uma confusão de idéias e lógica de raciocínio, através do desconforto emocional.

Na medida que as pessoas culpáveis iam se frustrando em não conseguir ser o outro, iam conquistando mais submissão aumentando o sentimento de culpa e anulando seu próprio Eu. Conseqüentemente adquiriam uma personalidade robotizada ou de eterno revoltado.

Toda vez que essas pessoas tinham que passar por aqueles momentos, acabavam se culpando. Adquiriam uma doença hereditária incurável, levando esse sentimento mesmo quando adulto, além de transmiti-lo, inconscientemente, para seus descendentes.

A década de 1960 foi um grito de basta, mas como não havia uma técnica para superar isso vieram as drogas. Na verdade hoje sabemos que para se livrar da culpa basta fazer apenas o que nos é correto, fazer o que não causa danos a nós ou aos outros, parar de fazer o que bate forte em nosso interior, parar de fazer o que anula nosso livre arbítrio, fazer apenas o que está dentro da nossa capacidade de fazer ou aceitar.

Crer em uma divindade que castiga, que vamos pagar por nossas ingenuidades, apenas criou pessoas que não se identificam, pessoas que não acreditam em seus próprios sentimentos, que fazem apenas o que é bom para os outros. Com isso, essas pessoas vão vendo a vida passar, vendo os outros seguirem seus caminhos, restando para si apenas a solidão, criando vácuos. Nada vai ficando, a não ser suas culpas causando doenças psicossomáticas. Não é a culpa a única companheira do solitário, mas sim se torna solitário quem acredita na culpa, quem reprime a si próprio, quem se deixa levar pelas palavras e pensamentos da ignorância dos outros, quem entra no jogo daqueles que desejam exercem um poder sobre os outros, quem cedeu a chantagem emocional das outras pessoas, quem acreditou que podia fazer aquilo que era impossível ser feito...

A culpa nada mais é que o desejo que os outros tem em dominar outra pessoa, cultivar esse sentimento é aceitar essa dominação, é responsabilizar-se pelos remorsos dos outros, pelas incompetências dos outros, pelas frustrações dos outros... 

Nós podemos apenas colaborar com os outros conforme a nossa vontade ou afinidade, agora se submeter à vontade dos outros é abdicar ao livre arbítrio, é perder o amor próprio.

Sentir remorso faz parte de nosso aprendizado, por que não é errado errar. O remorso é apenas um aviso que algo está para ser corrigido, e não imperativo como a culpa. Ninguém foi criado para errar, ou pagar por erros dos outros, ou para ser condenado. Nós existimos para fazer o nosso melhor e para aperfeiçoar o nosso melhor através de nossos erros e acertos, segundo a nossa consciência e a nossa capacidade evolutiva.

Na verdade, sempre fazemos o melhor e na medida que aumentamos nossas vivências adquirimos uma consciência mais ampla e com isso aprimoramos nossos conceitos e evoluímos.

Devemos aproveitar cada momento de nossa vida para melhorar nossas atitudes sem medo de que alguém nos culpe, sem medo de sermos com isso egoístas, mas sim por que nos leva a nossa prosperidade e a nossa evolução.

A vida nos pede apenas que façamos a nossa parte, a nossa função, a nossa obrigação... Não cabe a nós viver ou resolver a vida dos outros, podemos apenas orientar, ensinar, ajudar os outros, mas nunca conduzir os outros ou deixar ser conduzido.

Não importa o que aconteceu no passado, pois o passado não nos pertence mais, o que nos pertence é o presente. Tudo que não podemos modificar não nos pertence mais. A culpa não nos pertence, por isso podemos abandoná-la a qualquer momento. Apenas os erros ou desatinos que cometemos no passado e ainda podemos corrigir nos pertencem, e assim que forem corrigidos teremos o perdão de nós mesmo.

Autor: Sérgio Luiz Giannico

Causas e Efeitos

Técnica prática para a prosperidade


Você já parou para analisar com profundidade sobre as dificuldades que o cercam? Eu já! E descobri que todas as dificuldades que me cercavam eram apenas causas de uma resistência que eu criava, e acabava me acostumando com o efeito que ela projetava, às vezes até as defendia com verdade e alimentava essas falsas realidades.

Um dia eu resolvi mudar. Parei de dar importância às pressões e as emoções que não me traziam a felicidade plena e tranqüila. Se isso não era bom para mim ou para quem estava a minha volta, simplesmente eu deixei de acreditar. Com isso, erradiquei a ansiedade interior, o que me tornou mais confiante e seguro. As coisas começaram a acontecer por que eu determinei e acreditei.

Comecei a pensar mais e a analisar mais os fatos. Foi assim que comecei a perceber que
nunca houve nada de errado em minha vida, quando algo não saia como eu queria ou como eu precisava, era porque eu causava isso.

Comecei a perceber que cada pessoa dava uma importância diferente para cada coisa. Muitas vezes, o que era muito importante para mim não era tão importante para os outros. Comecei então a ouvir mais a mim do que aos outros.

Percebi então, que os outros também tinham suas razões, mas também outros pontos de vistas, ai então ao invés de querer impor o meu ponto de vista comecei a admirar nos outros suas descobertas, suas alternativas, suas vocações e quando menos esperava eu estava aplaudindo e admirando os outros, com isso eu podia escolher o que realmente era melhor para mim. 

Quando os outros davam suas opiniões, queriam para mim o que era melhor para eles. Conclui então que ninguém poderia fazer outra pessoa feliz, pois a felicidade é individual, plena e igualmente distribuída para todos, podemos apenas proporciona-la, cabendo a cada um aceitar ou não, conforme suas vocações, necessidades, aceitações...

Percebi também que cada pessoa tem sua beleza, sua vaidade, seu objetivo e então não cabe a ninguém julgar as atitudes dos outros. Com isso, estar certo ou errado é uma questão de momento e de tempo. Na medida que vamos adquirindo mais felicidade, vamos eliminando de nós aquilo que não nos serve ou que serviu em algum momento e que hoje temos algo melhor para substituir.

Conforme fui analisando as pessoas, percebi que algumas atitudes ou pensamentos seguiam um padrão de causas e efeitos, como por exemplo:

Nunca uma atitude de ansiedade obteve um efeito de sucesso, mas todas as atitudes de autoconfiança e serenidade são realizadoras. Nunca um pensamento de pobreza, avareza, malandragem ou egoísmo tornou alguém mais rico ou mais belo, mas todos os de riquezas, de fartura ou de simpatia, sim. Nunca a baixa estima levou alguém para cima... Conclui então que as atitudes, as fantasias, os pensamentos... eram determinantes para isso ou para aquilo.

Eu tinha a verdade e com isso tudo ficou muito fácil e natural. Percebi então que todas as pessoas eram imagens verdadeiras de sucesso, de riqueza, de saúde, de felicidade, de realização, de prosperidade... Mas cada um de seu modo. O que afastava as pessoas do sucesso pleno eram as resistências do tipo: - Isso eu não posso, Isso eu não consigo, eu não... eu não... ou então querer ser o outro, querer ser conduzido pelos outros, se anular em função dos outros... Ou querer fazer os outros felizes, interferir na vida dos outros, mostrar para os outros que só eu estava certo... Ou seja, querer que os outros fossem eu, ou o pior querer ser os outros. E isso é realmente impossível por que ninguém é melhor ou pior que alguém, cada um tem seu charme, seu esplendor, seu agir... Isso é o que torna a humanidade diferente da robótica. 

Hoje somos o efeito que causamos no passado, mas também temos o poder de mudar tudo aqui e agora... Ou assim que cansarmos de viver como estamos. 

Não há limites para a imaginação ou para a felicidade, para criar é só imaginar e para ser feliz é não resistir em ser feliz.

Sendo saudável no pensar e no agir aproximamos as pessoas de nós. Querendo impor a nossa vontade em nome da nossa felicidade a custa da felicidade de outra pessoa afastamos essa pessoa de nós, com isso perdemos as pessoas mais próximas e assim nunca teremos sucesso. Por que felicidade se proporciona, mas não se impõe.

Tentar ser feliz através do egoísmo, da trapaça, da intolerância... transforma boas intenções, boas oportunidades, ou uma pseudo felicidade em arrependimentos futuros, causada pela distância das pessoas ou da nossa mente social ou coletiva, isolando-nos de tudo e todos, até mesmo daqueles que foram nossos cúmplices ou parceiros, porque toda felicidade tem seu preço e é pago na mesma moeda que foi emprestada. Quem semeia a felicidade com carinho e honestidade colherá o amor, quem a semeia com ventos colherá tempestades.

Autor: Sérgio Luiz Giannico

Inteligência Universal

Técnica prática para a prosperidade



A inteligência é uma capacidade que desenvolvemos na medida em que pensamos, raciocinamos, agimos, interpretamos e entendemos as pessoas, coisas e fatos do nosso dia a dia. Quanto mais profunda a nossa compreensão, mais próximo estamos da fonte da intelectualidade. Com isso temos a capacidade de resolver situações novas com destreza e êxito, compreendendo a relação entre os fatos e a verdade, tomando decisões através do raciocínio.

O princípio da inteligência está na lógica e na ordem. A lógica é o modo de raciocinar como um fato está atingindo seu objetivo, sem colocarmos nossas opiniões e pretensões. A ordem é o modo que conduzimos, de acordo com a importância que damos a cada coisa ou fato. Refletindo assim na nossa personalidade e postura, através do nosso senso de observação e discernimento do que é fantasia ou realidade. Quanto mais cuidadoso, sistemático e sem preconceitos for nosso raciocínio, nossas idéias serão mais bem aceitas e com menos inferências.


A inteligência flui em cada pessoa de acordo com sua postura e conduta, de modo que as melhores soluções nascem instantaneamente nos momentos de calma, de ponderação, de reflexão... como se a inteligência estivesse solta no ar e nós fossemos apenas o espaço onde ela devesse ser instalada, sendo a nossa postura apenas uma antena de captação de uma determinada freqüência.


Toda atuação de uma pessoa é ela própria, colocar ordem em armários, gavetas, porta-luvas do carro... é saber pensar com ordem, tudo que reflete você é você; sua mesa de trabalho, sua gaveta... é você. Para ter sucesso, é necessário organizar-se, saber colocar cada coisa em seu devido lugar. A inteligência funciona através de uma seqüência lógica de ordem e de forma objetiva, fazendo com que precisamos de menor esforço para grandes realizações. Para chegar a um objetivo, não precisamos dar voltas ou fazer colocações persuasivas deixando dúvidas no ar, basta raciocinar com a ordem dos fatos e de forma lógica. Com isso chegamos ao sucesso naturalmente, sem esforço desnecessário. Organizar-se é harmonizar-se com a vida.

A inteligência é tudo aquilo que nós escolhemos para ficar em nossa mente. Seja a ordem ou a desordem, a riqueza ou a pobreza, do necessário ao tudo ou nada... Cada um escolhe o quanto quer ser inteligente e o quanto quer refletir sua imagem perante o sucesso.

A inteligência coloca cada pessoa na dimensão que está apta a viver, seja numa dimensão racional ou de consciência.

A Dimensão do Racional é alcançada através do pensamento e tem como mecanismo uma memória que aciona um raciocínio e leva a uma inteligência. É a dimensão onde se alojam vibrações primárias como comer, dormir, evacuar, relacionar-se com pessoas a sua volta...

É uma dimensão desprovida de consciência e abriga o homem primitivo e as crianças. Identificam o corpo físico, não dominam todos os seus instintos, sua emotividade é escassa. É muito comum encontrar um homem primitivo na cidade ou em grandes centros, geralmente denominados de serviçais ou ignorantes, como também entre os silvícolas e diferem-se das crianças apenas por seu estado adulto.

A Dimensão da Consciência. Você lembra de um velhinho chamado Gepeto, que talhou um marionete de nome Pinóquio e pediu para uma Fada dar-lhe vida sem que precisasse dos cordões para se movimentar? A primeira dimensão da história foi representada pelo boneco, a segunda pela varinha mágica da fada madrinha e a terceira por um grilo falante que fazia o papel de sua consciência e era responsável pela inteligência, sabedoria e intuição do boneco. A fada, que dotada de grande sabedoria e dons paranormais, deu uma dica ao seu protegido, quando adquirisse consciência própria, ou seja, alcançasse essa Dimensão por si, seria um Menino de Verdade. Usando seu livre arbítrio Pinóquio, fez tudo ao contrário, ao invés de ouvir os sábios conselhos do grilo, seguiu os conselhos de uma raposa, e foi levado ao ócio e as conseqüências foram opostas ao seu objetivo, seduzido e iludido por uma vida mais fácil e sem responsabilidades aproximou-se da ignorância, da mentira e do insucesso sendo escravizado facilmente pelos outros. Assim é a história de cada um. A confecção do boneco é a gestação, a varinha de condão é o despertar a vida, o grilo falante representa os bons conselhos que nós recebemos freqüentemente na vida, a raposa é a figura do errado, do atalho, da malandragem, dos falsos amigos, dos invejosos, do caminho que nada acrescenta de positivo. Essa história acaba quando Gepeto, na tentativa de recuperar a conduta de Pinóquio, é engolido por uma baleia. Quando todos julgavam que esta história teria um final infeliz e que tudo estaria perdido, Pinóquio por um momento de lucidez e consciência surpreende a todos, salvando Gepeto bravamente de um destino cruel, mudando assim sua conduta ao receber a oportunidade do despertar e da coragem de enfrentar qualquer problema sem importar o seu tamanho. E assim, é reconhecido por todos, inclusive por sua fada madrinha que o torna um menino de verdade, livre da escravidão e com consciência própria. Tudo bem, isso não serve como base científica, mas serve como ilustração e mostra que tudo esteve à frente de nossos olhos e faltou consciência para captar o sutil. O universo é formado de dualidade, a inteligência necessita da ignorância para transformá-la em sabedoria.

É a necessidade que empurra o homem às descobertas, à tecnologia, ao progresso assim como o feio existe para promover o bonito, o mal para cativarmos o bem, o negativo para buscarmos o positivo e material para conscientizar-nos do espiritual, contestando e aprendendo.

O objetivo sempre foi despertar nos homens aprendizado, determinação e astúcia para chegar a prosperidade. Se toda vez que pegar uma cebola decidir passar nos olhos ao invés de temperar a comida, a culpa é sua e não de quem criou a cebola. É a inteligência que nos mostra para que serve a cebola, e a burrice define quem a passe pela segunda vez nos olhos.

Para conhecer a dualidade do Universo não é preciso repetir a experiência da cebola com uma pimenta ou um limão, basta usar a inteligência, a intuição e o discernimento: - isso não serve para isto, então o coloco na salada ou simplesmente de lado. Quando a vida lhe oferecer um limão só aceite se for para fazer uma limonada ou se preferir faça uma caipirinha, e não para reclamar que a vida lhe deu uma fruta ácida.

As nossas atitudes e pensamentos são as responsáveis pelo nosso destino. Por isso dizemos que somos os autores, ou que colhemos o que plantamos. Temos o livre arbítrio de semear só que a colheita será obrigatória. Não adianta passar cebola nos olhos para culpar a natureza por ter criado a cebola; ela é um tempero. Não adianta culpar os outros ou por ter te induzido a isso ou aquilo porque você tem consciência, inteligência e sabedoria. Culpar alguém é cômodo e vicia.



Autor: Sérgio Luiz Giannico

Paz Interior

Técnica prática para a prosperidade


O objetivo do ser humano não é Ter, mas sim Ser ou Estar. Ter dinheiro serve para Ser mais próspero, Ser mais feliz, Ser mais tranquilo. Ter uma boa saúde significa Estar em Harmonia e Estar de bem com a vida.

Às vezes precisamos Ter para Estar ou Ser. Porém, jamais podemos confundir os conceitos de Ter com Ser e Estar, pois Ter por ambição, ou Ter algo desnecessário para o nosso bem estar pode causar a perda da liberdade ou da felicidade e com isso deixamos de Sermos Felizes.

Possuímos dois termômetros para medir a nossa evolução nesta vida: para o Ser damos o nome de Consciência ou Corpo Astral e para o Estar o nome de Corpo Físico.

Com isso o Ser Humano pode medir o quanto mais perto está do seu objetivo maior, da única herança que levará desta vida: A Paz Interior.


O Termômetro do Ser: A Consciência.

A consciência serve para processar as experiências da vida, vencer a ignorância, aumentar a flexibilidade de compreensão para atingirmos uma cosmovisão.

Fazendo o melhor de si, de acordo com a sabedoria de cada indivíduo, conseguimos a Paz Interior. Para medir o sucesso do nosso progresso usamos o contraste do equilíbrio e do desequilíbrio. Somos Felizes quando fazemos o correto ou o possível de acordo com o nosso conhecimento. Ao contrário, ficamos depressivos ou com crise de consciência quando desarmonizamos com o nosso crescimento espiritual. As atitudes de presunção, ódio e desafeto causam irritação, enquanto que as de amor, compreensão, afeto causam a alegria, fazendo vibrar a paz em nosso interior e exterior, atingindo assim a sensação de SER FELIZ.


O Termômetro do Estar: O Corpo Físico.

Estar com o corpo são é o resultado de uma mente sã. Quando estamos de bem com a vida e procuramos fazer o melhor de si a nossa mente aciona um campo energético. Com essa ativação criamos um supersistema imunológico capaz de eliminar as doenças e as vibrações baixas como o medo, a insegurança e o cansaço. Quando criamos esse supersistema elevamos nossa vibração e aumentamos a duração da vida, ampliamos o sexto sentido (a intuição), além de evitarmos o envelhecimento precoce, prolongando a juventude e assim atingindo a sensação de ESTAR BEM.


Cada órgão, tecido ou membro de nosso corpo, além da função fisiológica que conhecemos, também tem a função de termômetro da alma. Primeiro vem o aviso pela consciência, “Isso não é correto”, causando uma irritação ou mau humor. Insistindo em permanecer com o erro aparecem os sintomas físicos, ou seja, as doenças. Isso ocorre porque a nossa consciência, modificada pelos distúrbios (irritação e mau humor) ou atitude indevida, ativa parcialmente a glândula pituitária ou pineal. Com isso, ela segrega enzimas truncadas e defeituosas que ativam aminoácidos com menos oxigênio e mais gás carbono, por exemplo. Todo esse processo enfraquece nosso sistema imunológico e causa distúrbios em nossos órgãos. Persistindo a falha de consciência, somatizamos cada vez mais o distúrbio enfraquecendo o sistema imunológico.

Buscando o Bem Estar, o então chamado de “paciente” procura o médico para eliminar o incomodo sintoma, apresentado como um sinal de alerta. Depois de aviada a receita o paciente injeta drogas capazes de modificar os aminoácidos imperfeitos, ao invés de tratar a causa do problema. Agora nosso “paciente” tem dois problemas: o antigo (ainda não solucionado) e o novo (que é a presunção de enganar-se, tomando uma droga para eliminar apenas o efeito) causando assim um novo sintoma chamado de efeito colateral.

Vamos tomar como exemplo um “paciente” que tenha problemas cardíacos e uma vida sedentária. Ele vai ao cardiologista e o médico receita além dos medicamentos uma forma melhor de conduzir a vida. Se esse paciente seguir à risca os conselhos do médico terá como resultado o fim do sintoma, pois tratou tanto a causa como o efeito. Agora se o paciente apenas tomar os remédios e não modificar a causa da doença, além de permanecer doente poderá sofrer de efeitos colaterais, que com certeza ele atribuirá aos medicamentos e nunca a sua teimosia.

Não podemos confundir Ter uma doença com Ser doente ou Estar doente. Para Ter uma doença basta querer, pois cada um de nós pode escolher ter ou não ter, mudando as atitudes consigo e com os outros.

Para Estar doente, basta não prestar atenção em si mesmo. Para Ser doente basta gostar de chamar atenção.

Embora rotulamos as doenças como um mal, na verdade o mal é a causa, a doença é o sintoma. Para cada atitude temos um órgão alvo que recebe o reflexo da causa apresentando o sintoma correspondente, como por exemplo:


O Medo: É um campeão de audiência nas causas das doenças psicossomáticas.

O medo de achar que o momento não é apropriado causa o Aborto por não aceitar as ações da vida, (Não podemos pensar em aborto apenas em relação a um feto humano, mas também no aborto de ideias ou decisões, quantas coisas certas deixamos de lado por não acreditar).

O medo junto com a raiva causa a Amidalite, por não acreditar na beleza de expressão.

O Medo da vida ou a não aceitação do EU causa a Amnésia, por não ver a alegria na vida.

O medo ou bloqueio das sensações causa Apendicite, pela insegurança.

O medo ao extremo a ponto de negar a própria vida causa a Azia e até mesmo a Anorexia, por não se aceitar ou respirar profundamente.

O Apetite em excesso é o medo com a necessidade de proteção por ser inseguro, a perda de Apetite é o medo com a necessidade de proteger-se da vida por falta de amor próprio.

O medo ou falta de confiança leva a Asma ou a Asfixia por não se sentir seguro e livre.

O medo e a necessidade de controlar tudo, ou mesmo a tensão e o estresse causa Cabelos Grisalhos ou a Calvície (é muito comum a expressão: - Estou careca de saber! Para definir que controla tudo; ou – Isso me faz perder os cabelos! Para definir tensão).

A fuga de uma situação ou medo de enfrentar algo leva ao Desmaio.

O medo e a rejeição do presente ou passado leva a Diarreia, pois o intestino é o responsável por eliminar o que é rejeitado.

O medo de não ter o controle de uma situação (por exemplo, em uma embarcação) causa o Enjoo.

Medo do prazer ou do ato sexual causa a Frigidez ou a Enxaqueca quando se teme ser conduzido.

O medo das estatísticas ou da crise leva ao Congestionamento Nasal, ao Resfriado ou a Gripe. Quanto maior a crise (ou congestionamento financeiro) pior o sintoma, quando se dissipa a crise, passa-se o sintoma. Com a próxima crise virão outros sintomas com genes modificados, porque a próxima crise apresentará motivos diferentes (é lógico que se fosse o mesmo motivo, ninguém acreditaria de novo). O que poucos sabem, é que a crise nunca existiu. Eu confesso que sempre que se falou em crise, eu ganhei mais negócios do que nos tempo de calmaria. O truque é que eu não acredito em crises, acredito em novas oportunidades.

O medo de deixar acontecer causa a Hemorroidas por não querer se libertar ou não deixar a vida fluir com naturalidade.

O medo do presente causa a Hipermetropia por não querer ver a vida com clareza.

A Impotência Sexual pode ser causada por tensão, culpa, rancor, mas acredite se quiser que quando crônica é por Medo da Mãe, por ter tido uma educação que não o permitisse que sua vida fluísse facilmente e com prazer.

A receita da Indigestão é basicamente medo acrescido de ansiedade a gosto, guarnecido de pavor e uma pitada de mau-humor.

A Insônia é medo com culpa, tensão e preocupação, por ter o sentimento de culpa por ter feito algo errado ou ter deixado de fazer alguma coisa que não teve tempo, causando tensão no momento de dormir, é claro que o corpo não relaxa. O melhor remédio para isso é deixar o passado para traz e acreditar que o momento de dormir foi feito para dormir e o dia seguinte para resolver o que não se conseguiu fazer no dia anterior, basta pôr ordem nos momentos da vida, pois na hora de dormir a única coisa que conseguiremos com sucesso é... Dormir.

Os problemas no Intestino são causados pelo medo de deixar as coisas velhas, de se livrar daquilo que não lhe é mais necessário. Para quem não sabe por onde começar, ai vai uma dica: comece pela gaveta do criado mudo ou do móvel da sala que está recheada de papeis de uns 2 ou 3 anos atrás, pilhas com meia vida, tampa de margarina do concurso que passou há anos, uma embalagem de açúcar para o próximo concurso, um parafuso enferrujado, as chave de algum lugar que não se lembra... Quando terminar com todas as gavetas (daqui uns dois ou três dias), comece pelos ressentimentos no fundo da alma, aqueles com a sogra, no escritório, com o vizinho; e assim continue passando a limpo cada ressentimento, cada favela da alma, limpando do mais superficial até o mais profundo, e posso lhe garantir que se o medo de se livrar das porcarias era ficar com a cabeça com a forma de uma uva passa, isso nunca acontecerá porque a mudança para melhor é a troca do desnecessário pelo necessário.

O problema exagerado na Menopausa é o medo de não ser mais querida ou medo da idade, já os problemas na Menstruação (cólicas muito forte) estão relacionado ao medo da mudança do corpo ou rejeição da feminilidade.

O medo do futuro (no que vem à frente) causa a Miopia.

O medo ou a rejeição de novas ideias ou experiências causa a Náusea, como uma defesa.

O Nervosismo está associado ao medo de confiar em si mesmo.

Se a pessoa for expansiva, o medo e a necessidade de proteção, ou seja, a falta de plenitude da vida leva a Obesidade. Porém, se for uma pessoa retraída com esses sentimentos tem o sintoma inverso, a Magreza, pois ambas sofrem da mesma causa: estar fora do peso ideal em relação à altura, ou se preferir não estar em plena forma. Basta colocar ordem ou planejamento na vida que o peso ideal chega a plenitude. Quando uma pessoa faz um regime volta ao peso ideal, não pelo fato do regime em si, mas pelo fato de organizar-se, colocando horário para as refeições. Acabando o regime e voltando com o padrão antigo de vida, perde-se novamente a plenitude corporal. Podemos dizer que a pretensão de fazer um regime e ter o peso ideal para sempre, sem mudar o comportamento de organização é o que move a indústria das dietas. A cada dia inventa-se uma nova dieta: a dieta da maçã, a dieta de comer de tudo ou a dieta de comer doces e gorduras, entre outras que apenas variam o cardápio, mas sempre mantêm o princípio ativo que é a organização e o horário de abocanhar os alimentos.

O medo dos outros causa Odor Corporal para manter a distância das pessoas.

O terror ou a resistência com as pessoas causa Paralisia.

O medo de ir adiante causa problema na parte Inferior da Perna, evitando irmos para frente.

O medo de perder a masculinidade por acreditar na idade causa problemas na Próstata.

Ter medo de falhar ou errar causa Úlcera.


O medo pode ser benéfico e preservar a nossa integridade, por exemplo: o medo em desrespeitar o sinal vermelho, evita um acidente, o medo de sofrer um atropelamento faz com que olhemos os dois sentidos da avenida ao atravessarmos. Não podemos julgar o medo como um erro, mas devemos dar ao medo a importância exata a que ele foi criado, pois os homens que não tiveram medo de absolutamente nada morreram das formas mais tolas.


Outros sentimentos são responsáveis pelas demais doenças, como por exemplo:

Fixar o pensamento em vinganças, mágoas, ou ressentimentos causam Abscessos por não se libertar do passado; crer em violência ou criticas destrutivas provocam Acidentes (por não estar em perfeita harmonia não atingimos o sexto sentido em sua plenitude, crer em violência ou envolvermos com críticas destrutivas, desliga a intuição completamente, a ponto de não escutarmos aquela voz que vem dentro de nós: -Cuidado! -Isso não! -Mude o caminho...); a ansiedade ou até mesmo o medo de continuar é responsável por problemas na Bexiga como a incontinência urinária.

As feridas mais profundas como a mágoa que corroí até a própria alma gera o Câncer.

A incerteza de olhar para o amanhã com alegria gera a Catarata.

A raiva ou a falta de perdão para com os outros somatiza-se em forma de Celulite.

A impaciência gera incômodos como a Cólica.

Não ser flexível para com os outros ou para com a vida acarreta Problemas na Coluna.

Os Problemas do Coração estão sempre relacionados com atitudes de falta de amor próprio (trocar a felicidade por dinheiro, fumar, trabalhar sem descansar, cultivar a avareza, aceitar a má alimentação...) pois o coração é o responsável por fazer fluir o vital, aquilo que julga tóxico para o corpo ele armazena até ser purificado podendo causar um saturamento levando ao enfarto.

Os Dentes representam nossas decisões (por exemplo o sorriso ou em dilacerar e decidir se ingerimos ou não determinado alimento, como espinha de peixe), as indecisões causam problemas dentários.

A mágoa por ter deixado algo para traz, achar que a vida é amarga ou abandonar a ideia da doce vida, ou do lar doce lar, não se permitindo saborear o lado doce da vida chega-se a Diabetes.

A resistência em digerir novas ideias ou novos sentimentos, ou ter receio em assimilar o presente causam Problemas no Estômago.

A Pressão Alta está ligada a problemas emocionais, é alta tensão. E a Pressão Baixa as frustrações do tipo “nem vou tentar, sou mesmo azarado!”, é a baixa estima.

Tiroide é a válvula de escape do tipo eu não mereço... Ou nunca chega a minha vez.


Cada causa tem seu efeito, não cabe neste momento listar todas as causas de doenças, cabe apenas apresentar uma pequena amostra. A finalidade é mostrar quem nos afasta da Paz Interior somos nós mesmos com nossos medos, ódios, indecisões, incertezas, dúvidas, culpas, presunções entre outras imperfeições que existem por que as criamos, por não confiarmos em uma imagem verdadeira, em uma perfeição divina, por que escolhemos erroneamente o “eu não mereço”, o “isso não é para mim”, o “me contento com pouco”.


Autor: Sérgio Luiz Giannico

Planejando a sua Vida

Técnica prática para a prosperidade


O mundo tornou a iniciar quando as leis básicas da física começaram a delinear o que reage sobre a matéria. Por volta de 500 a.C., usava-se minério metálico com propriedades magnéticas como bússola. A lei da gravidade definiu que matéria atrai matéria na proporção direta dos corpos e inversa à distância, ou seja, a massa de maior matéria atrai a menor de forma mais intensa quanto mais perto. Descobriram que a Lua e o Sol é que exercem uma força sobre os oceanos e alteram as marés, apesar da Lua ser muito menor que o Sol, mas por estar mais próxima exerce uma força maior sobre a Terra. No século XVIII descobriram a eletricidade, e somente no século XIX é que descobriram que a eletricidade e o magnetismo não eram fenômenos distintos, ambos são manifestações de uma única força chamada de Eletromagnetismo.

Independente do conhecimento sobre física ou eletricidade, qualquer pessoa que ao ligar um rádio ou acionar um interruptor de luz, o resultado será o efeito esperado, o rádio tocará ou a luz acenderá. Não precisa ter fé ou conhecimento para que essa ação tenha uma reação. O que precisa ter é um breve planejamento: vou ligar o rádio porque quero música ou vou acionar o interruptor porque quero luz.

O que faz as coisas acontecerem é o planejamento. Nós somos um sistema vivo e completo. O nosso cérebro é o mais sofisticado sistema para realizar um evento. O Universo aposta nisso, o mundo depende do cérebro humano para continuar prosperando.


As grandes descobertas precisaram apenas de dedicação e determinação, pois o inventor ou o descobridor nunca teve um modelo ou um mapa. Primeiro resolveu o que fazer, em seguida planejou como fazer e por fim determinou quando fazer.



Quando o cientista se propõe a descobrir algo, ele nunca pensa que isso será impossível, ou se sua capacidade é suficiente, ou que ele pode fracassar, ou mesmo quanto ele irá faturar financeiramente com o seu evento. Porque se ele tiver dúvidas, achar que não pode ou que não compensa, imediatamente seu pensamento, que é uma consciência cósmica, aciona um mecanismo de defesa através da vibração de medo, fazendo com que sua glândula pineal segregue enzimas e libere energia fluídica através do ectoplasma, protegendo-o do fracasso, com isso o evento não ocorrerá.



Toda grande descoberta começou como uma “heresia”, pois a consciência de muitas pessoas, define a realidade apenas pela percepção das energias percebidas pelos seus cinco sentidos básicos, enquanto que o inventor que acredita no seu projeto, usa a consciência evolutiva cósmica, que é percebida pelo sexto sentido ou intuição.


Um exemplo ridículo, mas eficaz, é o do mentiroso que engana suas vítimas pela convicção que emprega na mentira. Dependendo do nível de consciência de cada indivíduo, é mais fácil ou mais difícil julgar o certo ou o errado. Para julgar algo, utilizamos a vibração de uma frequência. Quanto menor for o nível de consciência e maior for o ego, maior será a ilusão produzida pelos cinco sentidos e menor será a percepção produzida pela intuição, chegando a conclusões lógicas, mas pouco intuitiva, como: Convicção = Verdade, Verdade = Bom, Bom = Positivo, e o indivíduo recebe a energia da mentira com ar de “senti firmeza”. Se o locutor titubear ao mentir a fórmula muda completamente, Dúvida = Perigo, Perigo = Prejuízo, Prejuízo = Negativo, a vítima descobre o golpe. A consciência agirá da mesma fórmula se falarmos uma verdade titubeante, (Dúvida = Perigo = Prejuízo = Negativo) e ela não acreditará numa verdade.

Quanto maior for a consciência cósmica em relação ao ego, mais próximo estamos do sexto sentido, com isso estamos mais perto da verdade e mais distante da mistificação. Através da percepção da intuição a consciência identifica na matriz fluídica a origem de cada energia e a mentira sempre vibrará como mentira e a verdade sempre como verdade.

Assim como as percepções dos sentidos produzem a consciência, quando você planeja algo e cerca-se de cuidados, ao aparecer a primeira dúvida imediatamente vem uma solução planejada e a dúvida some imediatamente. Vamos a um exemplo clássico:

Quando um desempregado planeja reintegrar-se ao mercado de trabalho, ele sabe que deverá dar o melhor de si para conquistar o novo posto. Após conseguir o cargo, sabe que o próximo passo é o período de experiência, seus pensamentos são cuidadosamente elaborados para ter a seguinte consciência:

- Acordo cedo para trabalhar, porque gosto de produzir. Isso me faz bem!
Conclusão do Pensamento: Produção = Prosperidade = Satisfação, alegria, Dinheiro = Positivo.

Padrão de Pensamento: Tenho que provar que sou bom. As pessoas sabem que eu sou diferente, melhor que outros, confiam em mim. Sou a pessoa ideal para ajudá-las.

Se uma vez empregado e superado o período de experiência, ele se acomodar, parar de planejar sua vida profissional e não diversificar seus conhecimentos, a energia evolutiva pára de vibrar e ele começa a mudar. Acha que já fez tudo pela empresa, começa a esculachar, achar que isso... ou... aquilo, e muda a estratégia vibratória, só para prejudicar o chato do chefe, que exige que ele faça o que propôs de início.

Essa mudança forma novas ideias, novos pensamentos, nova consciência. Quando chega o dia do pagamento o discurso muda para:
- Eu levanto cedo, me mato de trabalhar para receber só isso no fim do mês!
Conclusão do Pensamento: Trabalho = Dinheiro = Sacrifício = Negativo

Padrão de Pensamento: Sinto sono o dia inteiro. Nunca acharei um bom emprego. Nunca terei dinheiro apesar de sempre fazer sacrifício.

Tenho certeza que quando essa vaga for aberta novamente para o mercado de trabalho, haverá vários candidatos. Pois o erro não está no salário e sim na falta de objetividade de planejamento do funcionário. O planejamento inicial, conquistar a vaga, foi atingido.

A nossa consciência está pronta para processar todos os eventos que acontecem a cada milionésimo de segundos, sem contestar o nosso livre arbítrio, ela apenas faz acontecer.

Quando temos um problema, por exemplo, ausência monetária temporária, e tentamos resolve-lo procurando a causa, contornando a situação e corrigindo erros de planejamento, a consciência procurará os mecanismos de energia evolutiva, nessa ou em outra dimensão, para chegar ao resultado de prosperidade. Quando desviamos o problema usando palavras como - está difícil, não sei como fazer; é a crise - Uma confusão de raciocínio confunde o objetivo principal que é resolver o problema, passando o foco para outro problema: Quero que sintam dó de mim.

O sucesso desse novo e falso objetivo é atingido, pois a situação piora a cada momento e com isso, dá margem a mais lamentações. A consciência iludida e desordenada, deixa a situação inicial, ausência monetária temporária, com isso a situação fica cada vez mais crítica, poucos estarão sensibilizados com o falso problema que é chamar atenção através da chantagem emocional e ninguém está resolvendo o problema principal que é um novo planejamento. No fim não se atinge nenhum objetivo positivo.

Ninguém precisa ser expert em planejamento, basta apenas determinar metas. Tudo em nossas vidas ocorre como planejamos, ao arquitetar o planejamento, você está PROGRAMANDO, ou seja, criando uma rotina para sua vida ou seus negócios.

Dependendo do planejamento ou de sua programação você determina o tempo de alcançar o seu sucesso.

Então alguém diz: - Isso parece fácil, mas a realidade é bem diferente, eu preciso de dinheiro hoje, tenho que pagar as contas que venceram ontem, e ai como faço?

A vida é facílima para ser conduzida, nós, com nosso poder infinito de racionar, é que a complicamos. Se você tem dívidas vencidas ou vencerá nos próximos dias e não tem como pagar, parabéns! Você acabou de ganhar uma experiência de vida: O dia de hoje é o sucesso do planejamento de ontem, planeje que acontecerá. Essa experiência não é a mais agradável, mas com certeza lhe marcará por toda a sua vida.

Para resolver esse problema, planeje e dê tempo ao tempo, que com certeza ele será solucionado. Resolve-lo agora é equilibrar-se emocionalmente e achar a melhor negociação para a sua dívida. O dinheiro (ou sua ausência) é consequência de planejamento e investimento na diversificação. Na verdade, o que está acontecendo é que o Universo está se esforçado para que você aprenda a planejar, para você ser FELIZ.

Substitua as falsas palavras amargas do tipo:
- Com a miséria que ganho? Falar é fácil! De onde vou tirar dinheiro?

Pela verdade:
- Conciliando-me com o Cosmos as oportunidades surgiram do nada; planejando meu orçamento não terei dívidas; aquilo que preciso virá facilmente com novas oportunidades de negócios, pois o Sol nasce para todos, todos os dias, inclusive para mim; tudo sempre esteve aqui eu que não soube tomar posse; o que parecia ser um desastre foi a melhor lição que já tive, o Universo não me esqueceu.

Eu tenho certeza que assumindo a verdade, sua vida será infinitamente próspera, e que se revelará à verdadeira imagem da consciência cósmica em você.

Autor: Sérgio Luiz Giannico